top of page
  • Arthur Ituassu

Lula e a recessão democrática global

As atuais crises em Israel, na Índia e em El Salvador são mais uma prova de que vivemos um momento de recessão democrática global. Alguns autores apontam para o início desse período na primeira década dos anos 2000, depois da invasão americana ao Iraque, em 2003, e a recessão financeira de 2008. De lá para cá, muitos países retrocederam em suas democracias. Como no caso de Estados Unidos, Hungria, Turquia, Venezuela, Rússia, Índia, Perú, Polônia, El Salvador e Brasil. Fala-se também de Tunísia, Gana, Nicarágua e Uganda.


Há pouco, na Índia, o líder da oposição, Rahul Gandhi, foi expulso do Parlamento e condenado por difamação a 2 anos de prisão. Em Israel, o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, suspendeu o plano controverso de reformar o Judiciário, depois de 3 meses de protestos. O recém-lançado relatório da Anistia Internacional afirma que jornalistas e críticos do governo foram intimidados, hostilizados, ameaçados, censurados, criminalizados ou privados de acesso a informações públicas no Brasil, no Canadá, em Cuba, em El Salvador, na Guatemala, no México, na Nicarágua e na Venezuela.


Em El Salvador, onde a nova Assembleia Legislativa adotou uma série de medidas que limitaram a independência do Judiciário, com a destituição de juízes da Suprema Corte e do Procurador-Geral, mais de 60 mil pessoas foram presas nos últimos 10 meses e uma mega prisão para 40 mil detentos foi inaugurada. El Salvador é governado hoje pelo jovem e hiper popular Nayyb Bukele, que derrotou os dois partidos tradicionais do país nas últimas presidenciais com uso intenso da internet. Mesmo com a controversa política de segurança e o notório descaso pelas instituições democráticas, o “autoritarismo millenium” salvadorenho goza de índices de aprovação em torno de 80%.


O Brasil não superou sua crise democrática. Em termos históricos, o 8 de Janeiro foi ontem. Com isso, paira sobre o governo Lula uma grande responsabilidade (que não condiz com declarações fora do prumo), aquela de dar continuidade ao processo de retomada da democracia brasileira, após quatro anos vivendo no fio.



Comments


bottom of page